Diariamente somos “bombardeados” por centenas de canais de informação que apresentam matérias que vão de fofocas referentes as celebridades até as novas descobertas da física sobre ondulações gravitacionais.

Concordo, mas e daí? você me pergunta. Pois bem, cada vez mais nesse mundo que transborda conhecimento precisamos ser seletivos quanto às horas que dedicamos a temas sem aparente importância.

Perguntas poderosas

Para sabermos se vale a pena o uso de uma fração do nosso precioso tempo a determinado conteúdo, te apresento duas perguntas que mudaram minha concepção sobre o valor do conhecimento imediato.

Ao receber determinada informação pergunte a si mesmo:

1ª – Em termos práticos, esse tema é relevante para minha vida?

2ª – Posso fazer algo a respeito?

Para ficar mais didático vamos ao exemplo da matéria: “Caetano toma sol na Bélgica é o novo Caetano estaciona carro no Leblon. O cantor foi fotografado pela ex-mulher Paula Lavigne, na terça-feira (30), curtindo uma brecha na agenda de shows com Gilberto Gil em Bruxelas. Caê deitou na varanda, abriu a camisa e fez o que todo mundo queria estar fazendo: tendo uma tarde de preguiça no verão europeu. “Podia ter pedido uma espreguiçadeira pra botar na varanda do quarto do hotel”, disse Lavigne no Instagram.” (Fonte). Agora leia esse parágrafo outra vez e aplique as perguntas que te ensinei.

Percebeu o quanto você estava se ocupando ao conversar sobre isso com outras pessoas? Exceto se você, caro(a) leitor(a), for um jornalista de revistas de fofoca.

Não estou aqui pedindo pra você ficar alheio as tramas globais. O texto tem a intenção de ajustar seu foco ao que realmente seja relevante e passível de ação transformadora. Sobre seletividade, recomendo o app flipboard, uma revista eletrônica editável.

Pare de ser ocupado. Seja produtivo!

Recebeu a informação > é relevante? > posso fazer algo a respeito? Não e não? Ok, próximo assunto!

Pare um dia e contabilize os minutos, as horas dedicadas a tudo que te alertei. Te desafio a fazer essa análise simples com base nas perguntas e depois usar esse tempo para suas atividades programadas.

Chega de canal, jornal, revista e rede social que não acrescenta nada.

O excesso de informação “vazia” matará a planta que mais na frente te entregaria saborosos frutos com gosto de sucesso.

 


 

Diego Patriota é coach de carreira formado pelo IBC, instituição ISO 9001 com 6 (seis) titulações internacionais.

Gestor de projetos pela School of International Business and Entrepeneurship, associada a
Steinbeis University Berlin – SIBE/Brasil.

Acadêmico de Processos Gerenciais pela Universidade do Sul de Santa Catarina e empresário no segmento de networking e ownership.

Visionário e apaixonado pela vida.

Uma resposta em “Informação demais mata a planta”

  1. Diego, que texto sensacional! Realmente estamos cercados de distrações, de informações que nada acrescentam em nossas vidas! As vezes somos bombardeados e fica dificil se ver livre de tanta informação que não agrega nada em nossas vidas mas temos que ficar atentos e deixar sempre ligado o “alarme” da SELETIVIDADE! Parabéns pelo conteúdo incrível!!!!!

Os comentários estão desativados.